domingo, 23 de janeiro de 2011

É tempo de...


É que não é do feitio criticar as cores quando sentimos como daltônicos! A inutilidade de rimar as palavras julgando a poesia nessa obrigatória forma de transcrever o pensamento, logo quando viver é sinônimo de deixa-se sempre um segundo por vez. Falaram-me que eu vejo poesia em tudo. - Corrigindo, eu vejo a poesia onde já foi, mesmo quando ainda não se é cor, quando branco mudo, quando o poeta nem ama!

2 comentários:

  1. Poesia onipresente. Mito ou verdade?

    ResponderExcluir
  2. Para quem vive poesia, em tudo se faz presente. -MAS- Para quem pouco vive, é só rabisco em folha, não vive a metáfora do presente!
    É como digo, Fred, eu quero morrer vivendo em cores e em poesia! Acho que para quem não 'poetiza' a vida, ela é uma passatempo para um rabisco em preto e branco!
    Ou seja, é verdade!!!

    ResponderExcluir