terça-feira, 31 de dezembro de 2013

Não recomece!


E quando algo se termina, nunca recomece! Nunca queira deixar para trás todos os seus rodeios, seus desastres ou suas derrotas! Poesia é cheia de falhas! Poesia é cheio dos melhores sentimentos paradoxais – Caótico e Sereno. Nunca recomece! SIGA! Vá em frente, mesmo que ache a gramática pesada, a rima perdida! Não recomece, vá adiante, Dante já mais recomeçaria! 

quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Unicamente sou!


Eu posso ser essa massa corporal cheia de falhas e dores. Me doer com animais feridos, me danar com feridas abertas... Sair estradas, transpor rios e sobreviver! Mas sou, eu! Essa única ideia de um dia voltar a ser tudo o que sou! 

sexta-feira, 15 de novembro de 2013

Indiferente




E se não fosse nessa
vida que leve seria
tê-lo!

Barba, 
costela e espinho, 
(...) vida que leve ama-lo sem medo!"

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

quarta-feira, 6 de novembro de 2013

“Ao persistirem os sintomas, o médico deverá ser consultado!”


Eu acredito em propaganda de Shampoo, acredito em prosas atidas, em conselho sego... Só não acredito em você! Eu sofro de uma doença crônica chamada Esperança. E por essas patologias emergenciais, eu vivo com cuidado! Reparo sempre no céu, peço “por favor” e rezo antes de dormir! Sigo a regra o que o médico receitou, “Desacreditar na tristeza três vezes ao dia!”

sábado, 2 de novembro de 2013

"Eu quero amar alguém - e não estar na contra mão!"


Hoje, o meu dever de casa é amar alguém! E quem sabe, você que segura minha cintura! Quem sabe, você que deposita em mim cartas de um valete! Eu preciso de mais uma bebida para finalizar esse cortejo. Terceiro gole e podemos começar com os fins! Eu nunca prometi amores e desfechos. Semana que vem um café, noutro dia, quiçá, o meu amor! 

terça-feira, 22 de outubro de 2013

Algum poema sem consistência


Eu que mudei! E foi meu peso que mudou; as minhas poucas penas... As minhas calças mais largas; os meus sapatos mais gastos! Tudo que fui um dia mudou. E não foi por custa da vida. Foi por poesia! Essa mutação de quem caminha só, tendo seu mundo o mesmo conceito: Pesado demais para parar, leve de mais para seguir a diante! 

sábado, 14 de setembro de 2013

Preciso que segure a minha mão!


Eu estou cansada de estradas. De contos de fadas com planos em castelos encantados. Estou cansada de começar a ler uma página e não entender o contexto porque o autor fala muito sobre futuro, estando os meus verbos precisando dos  presentes! Vá entender esse cansaço de alguma forma e antes da meia noite, volta e explica! Porque estou cansada! Agora não! Só preciso que segure a minha mão!  

sábado, 31 de agosto de 2013


A única resposta que posso te dar é que não posso medir o tempo numa escala atmosférica! Nem que entre grandes amantes e Buarque's, a gente possa ser canção! Só, inclusive, seria nossa única nota resolvida!  

domingo, 25 de agosto de 2013

A mesma Cor


Você começa a entender que nem tudo é poesia a partir do momento em que você acorda e dorme sentindo ser a mesma cor.  Quando as vírgulas não te acompanham e quando, geneticamente falando, mutações não ocorrem nem em tempo, nem em verbo! Aí você entende que poesia tem vontade própria e inventar é praticamente impossível! 

sábado, 10 de agosto de 2013

Poesia X Poeta


Essa superficialidade que nos convém, só apoia a humana ideia de que não passamos de poetas cavos. Porque poeta mudo é ser poesia rasa. Não se silencia por silêncio! - Seria pleonasmo se verdade.  Cala-se por ser poesia! Em outra verdade, poeta! 

terça-feira, 11 de junho de 2013

quarta-feira, 5 de junho de 2013

Estive pensando


Habitualmente eu penso. Essa é a forma mais literal de mim! Eu pondero a arte não por envolver, mas Ser mesmo renegando o verbo. Pensar é uma iniciativa atrevida do subconsciente. Pensar não requer prosa, poesia... É a arma autossuficiente da solidão. E habitualmente eu penso ser essa a melhor opção!

quinta-feira, 2 de maio de 2013

E eu fiquei!



Já me tiraram tanta coisa – e eu fiquei! Numa tarde de chuva levaram meu sonho – e eu fiquei! Sem licença levaram o resto de coragem que eu tinha – e eu fiquei! Acabaram com minhas preces, enganaram minha fé, romperam as novenas –e eu fiquei! Levaram o dinheiro, documentos, certificados, digital – e eu fiquei! Agora que sou o que restou, me tiraram o amor – e eu fiquei!

segunda-feira, 22 de abril de 2013

Sou uma casa vazia


É muito difícil arrumar a casa! Encontrar um lugar para todos os nossos sentimentos. E mais complicado ainda, acreditar que seja o lugar certo. Isso porque nem sempre o abajur ilumina as ideias. Nem sempre o aparato suporta todos os problemas da semana. Nem sempre o jardim semeia o que plantamos. É muito difícil arrumar as gavetas, escolher as cortinas e não receber visitas!  

domingo, 31 de março de 2013

Segredo



Existe segredo para escrever? Você precisa de um sujeito, uma falha, uma mágoa e outro dia! Ingredientes básicos de qualquer pessoa comum.

Solidão findada



Eu combino muito com solidão. Solidão findada! Aquela sensação de morar dentro do próprio vazio cheio de conformismos que lhe ocupam a mente. Viver em solidão de apartamentos vazios não é solidão. Viver em solidão de não se ter alguém para amar não é solidão. Viver em solidão de cartas não correspondidas não é solidão. Solidão tem muito haver com multidões! 

Escrever!



Escrever, porque sentir dói.


Teorias, equações e outros fatores.



Amanhã tudo aquilo que você falou para o garçom não vai fazer diferença. Toda aquela teoria sobre solidão que você tentou explicar nunca será compreendida. Compreender o problema, mesmo a matriz mais louca ou os algoritmos mais compostos, não surtirá efeito em suas teorias. Inclusive, nada do que você falou foi ouvido. Pessoas como a gente custa a ser entendidas!

Escrever me custa um pedaço da alma.



Eu poderia passar noites assim - uma palavra atrás da outra, contexto super alinhados, verbos sentidos... Escrevendo! Mas isso me custa um pedaço da alma. Escrever influência nos meus saldos! Ele me alisa e me aproxima dessa coisa de solidão. Eu passaria noites falando sobre algo que, de tão vazio, me passa uma ideia de não existir. Porque no mundo existem mais de 8 bilhões de pessoas e eu prefiro a solidão como companhia.

A minha solidão



Eu não sei qual a linha do pensamento de Freud, mas solidão não são ilhas! A minha solidão não! A minha solidão é sufocante porque ela fala o tempo todo, anda, lê livros, come - persiste!

Justificado



Eu justifico tudo e nunca me justifiquei por que. Eu nunca sei por que é junto ou separado! Eu justifico quando amo, justifico quando deixo de amar! Justifico quando termino a frase e quando começa. Justifico o poema, a edição do texto! Justifico a falta de justificativa de alguns e nem sei por quê... Se é com, ou sem acento!

quarta-feira, 20 de março de 2013

Essa senhora distinta chamada Solidão.



Eu visito a solidão! Eu visto suas roupas, bebo do seu café! A solidão diferente do que muitos pensam, não precisa de muita teoria. De muito “palavriado” bonito! Ela nem é silêncio, para surpresa de alguns. Ela por dias conta histórias de fim de tarde, em outros com muita má fé, esconde-se. Mas só por má fé, mesmo! Em tempos normais, a solidão é sempre presente!  

Eu serei um livro.



É melhor a serenidade no sorriso! O silêncio das borboletas! O olhar e o sobrevoou do pássaro! É melhor encarar a vida como quem escreve um livro – Respeitando todas as virgulas, os pontos e as falas! De hoje em diante serei páginas, interpretarei personagens, subsidiarei conflitos e desfechos. Estarei sempre lá, na estante. O titulo pouco importa. Minha leitura vai ser ao acaso!    

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Pulo


Pulo o azar, o mal olhado, a indelicadeza e até as tristezas sem razão! 

Minhas sinceras verdades!



Eu não me importo em quantas manchas ressecadas possui minha escrivaninha! Ou quanto polida estar a prata que me enfeita, quantas cores me pitam... Em algum momento da vida eu salvei a verdade! Aquela que desanima e que não agrada. Sem nenhum polimento - As Brutas, As Ressacadas – Cheias de falhas, mas puras! Verdades quase como religiões! Sem mascaras... Contei apenas verdades.    

sábado, 16 de fevereiro de 2013

Outras noites!



É difícil cultivar noites assim! Cultivar o frio que batia na janela. Cultivar o tempo com aroma de vinho! Cultivar a esperança ainda arrodeada de boas bossas, lindos Vinicius... Cultivar a flor, o vaso, a água – Deixar brotar! - O calor é outro; o vinho, agora, não acompanha a noite - São outros tons, (absurdos medos)!  

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

O amor é



A gente encontra o amor em uma semana, três dias depois desencontra... Afinal, o que é o amor se não o desencontro das possibilidades, até que o impossível chegue a existir?

quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

Amanhã



Esse mês as coisas podem estar sendo um pouco complicadas. Mas amanhã melhora! O trampo não deu certo. Mas amanhã melhora! A conta da água não foi paga, o vencimento da caixa, a feira, a panela, à pressão... Mas amanhã melhora! A narrativa por fazer, o livro pra escrever, o certificado para alcançar. Mas amanhã melhora! O amor pra conhecer, a solidão para deixar, o perdão pra decidir. Mas amanhã, amanhã eu melhoro!  

segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

Um bom canto



Eu quero todas as minhas estantes de volta. Meus retratos, jarros e folhas. Porque mobiliar a vida requer às vezes deixar as águas rolarem, mesmo. Deixar inundar a sala, o carpete, estragar a mobília, jogar tudo fora e começar do nada. Do branco! Reinventar decoração para o coração repousar. Ter um novo estofado, uma boa penteadeira e uma cama pra sonhar!  

sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

Ambos os lados



Queria eu conhecer o outro lado da moeda. Onde tudo é respeito, é ensinamento! Onde a Claridade é tão rainha da descoberta, quanto a escuridão é príncipe dos princípios. Apostar na face de duas caras, não por hipocrisia, mas pela vulnerabilidade de um coração que sente. Ser Claramente Cara, quiçá, Coroa!