quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Sem florescer, não enraizo!


A minha rosa é amarela mesmo que nunca tenha vestido espinhos! Sem florescer, não enraizo. Do contrário, impossível! E crio espaço, quando germino. São sem tempos - colher, madura - Nos cantos das flores, daninhas em cores! Regar o caminho. Seguir brotando, devagarinho...
Raminho por raminho. 

sexta-feira, 1 de julho de 2016

Amadurecer



Fiz uma oração pedindo a poesia
Não me abandonar
Eu estou velha
E não bastasse a surdez para os bons silêncios
Eis que agora sofro da falta das palavras

Amadurecer, silencia?

quinta-feira, 28 de abril de 2016

Impossíveis causas da poesia!


Eu não sei como funcionam suas mãos quando escrevem poesias em mim. E nem das poesias que descrevem as suas mãos em mim. Pouco sei desse silêncio que encara o indescritível. Das possíveis impossibilidades que somos. Porque não somos. E sobre isso, ninguém nunca escreveu!  

sábado, 16 de janeiro de 2016

Pisando em ovos, em nuvens, ou na contramão!


Nem apressados e nem parados. Inquietos, ritmando o tempo. Rachados, tropeçando no vento. Queimando no Sol, descalços. Procurando sua sombra no chão - que chão? Pisando em ovos, em nuvens, na contramão! Nem apressados e nem à passeio. Apenas, aterrizando no chão.  

terça-feira, 28 de julho de 2015

Café


Pode existir muitas ilusões que honre um homem... Mas o café é o único que desilude logo cedo.

quinta-feira, 9 de abril de 2015

Sete mares e pouco açúcar


Você nem faz ideia das tempestades que venho tentando engolir! Dos setes mares que existem em cada xícara. Das pausas turbulentas entre uma onda e outra que esqueço de adoçar. Ah, meu bom leitor, já faz tempo que, sentada, balanço os pés na borda da xícara esperando a maré baixar! 

quinta-feira, 1 de janeiro de 2015

Feliz 2015 - Desacreditar, subtrair para depois somar!


Meus planos pra 2015 é desacreditar no azar! É desacreditar em muita coisa e ao mesmo tempo nunca perder a fé! É desacreditar no caos vencido, desacreditar nos bens e males entendidos. Desacreditar no imutável... porque tudo e todos podem mudar! Desacreditar no tempo, mas acreditando que mesmo com 28 anos e ainda se sentindo uma menina, posso em algumas situações ser madura e dizer NÃO! Desacreditar em listas de planejamentos, e acreditar mais em listas realizadas! Quero desacreditar em muito mito criado por gente mal amada e quero aproveitar a sorte de ter todos que me amam ao meu lado... mesmo esses sendo poucos, mas sendo raros! Desacreditar que a solidão é a melhor opção pra quem é desligada. Desacreditar que meus gatos achem que a casa é deles e desacreditar que mesmo não dando certo, a culpa é das estrelas! Será uma ano para desacreditar, desmistificar - subtrair para depois, só somar!

quinta-feira, 25 de setembro de 2014

Não tem chá de camomila que acalme borboletas sem rumo!


Se existe mesmo borboletas dentro da gente a cada vez que amamos, não há chá de camomila que acalme essas que andam sem rumo dentro da gente! Essas que se sentem acabrunhadas, matutas de si e sem muito orgulho em voar! Carece de um amor, desses explícitos... Que não precise ser explicativo – Muito pelo contrário! Seja só escancarado!   

domingo, 14 de setembro de 2014

Sou só mandacacu


Sem oração e de um Sol castigado.
Sou só mandacaru, flor e gosto amargo!
Polinizadora de sonhos ressequidos,
Esquecidos, polidos pelo vento.

Sou só mandacaru, seco e gosto pálido!
Sem raiz e talvez enraizado.
Desprovido de sentimentos, vencido pelo tempo,
Sob o Sol de um amor amargo.

segunda-feira, 11 de agosto de 2014

A mais curta história de amor!


Foi a mais curta história de amor! Talvez a compreenda - se em português rasgado! Se for poesia de vento! Se for traduzido errado... Repita sempre que for preciso "um romance desses breves e inesperados!"