quinta-feira, 30 de julho de 2009

O começo de um fim, virou inicio de um agora mesmo!



"Quando o sol bater na janela do teu quarto, lembra e ver, que o caminho é um só e que podemos começar tudo de novo... agora mesmo!"


Super Feliz.

quarta-feira, 29 de julho de 2009

Maneira de Ser


Teria que ser com alguém que saberia
Compreender o meu temperamento esquisito
A minha maneira difícil de ser
Que quando eu chegasse cansada
De um dia de ensaio geral
Dissesse "
Maria, morena, descansa
Que hoje, deixa, não faz mal."
Sempre tentando evitar que eu esqueça
Coisas essenciais
"Meu bem vê se come direito,
Maria
Pare de beber demais."
E pra completar o quadro
Que fosse de uma calma especial
Que nunca se abalasse com meus ataques
De angústia existencial.
Alguém com tanta boa vontade
Quem sou eu para resistir
Só peço já que eu existo
Que alguém como eu quero também possa existir
(Mariana Lima)

domingo, 26 de julho de 2009

Um poeminha pra você...


É... Você pisou na bola mais uma vez,
E mais uma vez você acha que o perdoei.
Nessas horas, não espere que fique zangada,
Você me conhece pouco pra saber quais atitudes eu tomo.

É... Essa é exatamente pra você,
E saiba que será a última.
Não farei mais samba, nem valsinha e nem choro,
Farei como você ta acostumado,

Dissimulo...

Maria Clara

"Tantas você fez que ela cansou / Porque você, rapaz/ Abusou da regra três / Onde menos vale mais/ *** Da primeira vez ela chorou/ Mas resolveu ficar/ É que os momentos felizes / Tinham deixado raízes no seu penar/ Depois perdeu a esperança / Porque o perdão também cansa de perdoar *** Tem sempre o dia em que a casa cai/ Pois vai curtir seu deserto, vai. / Mas deixe a lâmpada acesa / Se algum dia a tristeza quiser entrar/ E uma bebida por perto / Porque você pode estar certo que vai chorar" Regra de Três - Vinicius de Morais

sábado, 25 de julho de 2009

Ilusão de Ótica

Eu entendo você que não me entende
Eu não prendo você
Não se surpreenda
Quando eu digo sim
Quando eu digo não
Quando eu digo "talvez"
Você não entende


É natural


Naturalmente
Às vezes digo sim
Às vezes digo não
...
Eu surpreendo você
Que não me prende
"Tire as mãos de mim!"
"Me dê a sua mão!"
Cada um tem o seu ponto de vista
Encare a ilusão da sua ótica
Os olhos dizem sim
O olhar diz não
...



Sou cego
Não nego
Enxergo quando puder
Só vejo
Obscuro objeto
Desejo indireto
Será que você me entende?
(Engenheiros do H.)

quarta-feira, 22 de julho de 2009

Hoje, parece que tudo parou!





Hoje, parece que tudo parou! “E se a dor é de saudade, e a saudade é de matar.”


Foi em um segundo que tudo que fazia sentido, hesitou!


Entre nós... Nada foi sujo. Eu sempre paciente, e você sempre sincero! O que fazia tudo perfeito era como me deixava à vontade, como sabia exatamente a hora de aparecer e o momento certo que eu conseguia fazer você desaparecer. Era incrível como você sempre esteve ali, “distantemente” perto de mim e eu nunca havia percebido que você me fazia desaparecer quando mais eu precisava. Você sempre foi meu esconderijo, um cantinho que quando eu precisava me entregava a ele para poder respirar novamente... Era como um mergulho no fundo que eu precisava para poder respirar.

No inicio você era uma interrogação que eu precisava decifrar, só depois percebi que não precisava questionar quem era, e nem porque estava ali... Era desnecessário compreender algo que em apenas algumas horas, me fazia sentir leve novamente. Eu tentava ver aquilo como um “faz de conta”, nunca teríamos um final feliz, porque tudo que me fazia sentir em pequenos momentos de felicidade acabaria no nascer do sol. E aquilo, nunca me fez mal, foi preciso um romper de ano juntos, algumas noites mal dormidas e bem vividas, para admitir que você me fizesse bem e aquilo bastasse. Nunca quis entender o que você fazia longe de mim, já que quando você estava comigo, você estava ali!


E foi por um instante, algo que não sei o que me passou pela cabeça me fez acordar! Eu percebia algo que não queria ver... Já que talvez, daquele jeito, você já me fazia bem!


... Acordei e estraguei tudo!


Acordei para um sentimento que sempre tive medo de sentir. De sentir apenas por você.
E tudo que conseguir fazer foi fugir daquele esconderijo. Naquele momento, havia holofotes iluminando tudo o que eu não queria ver.


Hoje, o dia parou! Não foi bebida que me fez sentir um vazio dentro de mim e não foi a ressaca moral que me faz sentir meu corpo dolorido.


O dia parou hoje, pra eu perceber que não o tenho mais.


Num instante, eu vi que o queria e o que eu não aceitava...


"De hoje em diante, mais distante, talvez menos mal!
O desencanto na garganta, faz de conta que eu fui mais legal!"

Só por hoje eu não quero mais chorar



"Não sei por quê acontece assim e é sem querer
O que não era pra ser: Vou fugir dessa dor.
Meu amorse quiseres voltar... volta não
Porque me quebraste em mil pedaços."



"Sou um animal sentimental
Me apego facilmente ao que desperta meu desejo
Tente me obrigar a fazer o que não quero
E você vai logo ver o que acontece.
(...)
Consegui meu equilíbrio cortejando a insanidade,
Tudo está perdido mas existem possibilidades.
Tínhamos a idéia, mas você mudou os planos
Tínhamos um plano, você mudou de idéia
Já passou, já passou... quem sabe outro dia.
(...)
Não estou mais interessado no que sinto
Não acredito em nada além do que duvido"



"Só por hoje eu não quero mais chorar
Só por hoje eu não vou me destruir
Posso até ficar triste se eu quiser
É só por hoje, ao menos isso eu aprendi"



Como assim?
Como cheguei até aqui?
...Eu só quero voltar pra casa...
(Legião Urbana)

segunda-feira, 20 de julho de 2009

Amigos, minha paz interior!


Não existe felicidade maior do que entender que o mundo ta cheio de gente, gente chata e gente legal, gente fiel e gente errada, gente especial e gente estranha... Que o mundo é tão pequeno e temos tantas e grandes oportunidades para se vivenciar dias felizes!

Esse poderia ser um dos muitos textos clichês sobre amigos, mas resolvi escrever já que nunca devemos esquecer aqueles que amamos incondicionalmente, confiamos neles sem uma lógica concreta e que sempre estão ao nosso lado depois de uma noite decepcionante! Já vivi muitos dias tristes, dias em que não quis acordar, dias que foi difícil de engolir e dias que achei que não suportaria a derrota, mas diante de tantos momentos ruins, acredito que me fortaleci, blindei coração e percebi que “existem bem mais coisas entre o céu e a terra do pensa minha vã filosofia”.

Mas nada faria sentindo se não fossem eles! A única coisa de real que tenho hoje e sei não vou perder nunca são os meus amigos. E é para eles que dedico todo meu amor e minha força, para que a cada dia eu também possa ajudá-los!
Por mais que vivemos em um mundo tão complicado e cruel, encontrar pessoas legais em que você se sinta confortável e acolhida é uma das melhores sensações que tenho!
Tenho poucos amigos, mas não canso de dizer que são os melhores e mais verdadeiros. Eu tenho amigo que nunca vi, tenho amigo que só vi uma vez, tenho amigo que virou irmão, tenho amigo que já foi namorado, tenho amigo que bebe muito... Tenho amigo que feio... Tenho amigos lindosssss...

Mas tenho amigos!!! E isso hoje é o que me importa! Eu nunca saberei agradecer por tudo que já fizeram por mim... Mas sei que quando eu precisar, eles estarão lá e sei que vou está quando precisarem e quando não precisar também!
Com muito amor, desejo toda felicidade para eles!

Quem venha tardes tediosas, que venha noites em posto de gasolinas, que venham namorados chatos, planos falhos, e estágios furados... Juntos, vamos rir de tudo isso um dia!


Amo vocês sempre!!!


Ps: as fotos são ilustrativas, a imagem de todos, eu guardo comigo!

quinta-feira, 16 de julho de 2009

Sorte em não tê-lo!


O mágico de Oz

Mágico
-E quanto a você, meu amigo metálico, quer um coração?
Não sabe o quanto é sortudo por não tê-lo. Corações são vão ser práticos quando não puderem ser partidos.


O Homem de Lata
-Quero assim mesmo.

Mágico
- Lembre-se que um coração não é julgado por quanto você ama... Mas por quanto você é amado pelos outros.


(...) Ter ou não ter... eis à questão!

domingo, 12 de julho de 2009

"Olha que a vida tão linda se perde em tristezas assim..."


O olhar de Clara

Moça, que olhar perdido é esse que você tem? para onde olha enquanto eu, perdido no olhar, olho para a xícara que tranquilamente é segurada, e a mão que levemente acaricia tão indisplicentemente o cabelo negro, curto, desebaraçado. Para onde olha sentada tão traquilamente neste cenário comum a tua vida? Não sei mais o que pensar, "não sei se é tristeza que molha o olhar", não sei se a tristeza daquele que olha o seu olhar, ou se simplistemente foi isso que se queira passar... mas eu penas fico a olhando e imaginando o porque do brilho claro do teu olhar.


Texto de um amigo(Rodolfo) feito para essa imagem.

quinta-feira, 9 de julho de 2009

Para a imaturidade que um dia amei.




É sublime imaginar a felicidade que um dia me propôs...

É inevitável o sentimento que transpôs quando estais libertos de suas atitudes...

É feliz o dia que me abraça...

É confuso o que nos torna inevitável...

É nítido o ar que nos rodeia e nos separa...

É lastimável a abstinência entre nós!


Ps: Um texto de 28/08/08

quarta-feira, 8 de julho de 2009

Coração Blindado



“For me to love you now, would be the sweetest thing...”

A canção fala dos temíveis sentimentos, dos desejos arrepiantes, de uma frase difícil de digerir! Quando é que a coisa deixa de ser efêmera e se torna uma necessidade? Porque obrigatoriamente, temos que nos apaixonarmos um dia, de sofrermos, iludirmos e o pior de tudo, depender desse sentimento para felicidade. Já dizia o Vinicius, “o amor só é bom se doer”! Poderíamos simplesmente nos apaixonar pelos os livros na estante, pelas noites de solidão com uma garrafa de vinho, pelas cervejas tomadas com os amigos as três da madrugada num posto de gasolina. Qual o antígeno para essa penúria?

“... Would make me sing/ But I may as well try and catch the wind...”


Poderíamos apenas pegar o vento! É aí que tudo entre em ação, ou pelo menos deveria entrar! Os livros fazem mais companhia, você tenta esquecer o telefone, sites de internet são evitados e o coração se prepara pra uma blindagem! Seria tudo tão mais fácil se estivesse perto, se ele se fizesse presente, mas você apenas tentar pega vento... Me proteger, esconder-me! Caetano em uma de minhas músicas favoritas se pergunta, “quer que eu vou fazer pra te deixar, como tanto que eu conheço e esqueço de amar”. Quando eu quero, eu sofro, eu choro... Mas no final eu esqueço. Não obrigatoriamente, eu queira esquecer! Mas, obrigatoriamente me fazem sofrer!

(...)


“When rain has hung the leaves with tears, I want you here to count my fears. To help me leave all my blues behind.

For standing in your heart, it's where I wanna be, and I'll long to be. But I may as well try and catch the Wind”


Letras da canção Catch The Wind de Donovan.

segunda-feira, 6 de julho de 2009

Garçom, um vinho e um motivo, por favor!




Precisa-se de um motivo!

Que seja por alegria!

Porque hoje, eu sorrir quando havia uma nuvem em forma de coelho. Porque os carros pararam para uma senhorinha atravessar a rua. Porque no exato momento em que pensei em desligar o rádio, passou minha música favorita e vi que não era tempo de desistir.

Porque a xícara caiu e não quebrou! Porque agora, me toquei que o vestibular passou, e eu também! Porque meu amigo achou nos classificados uma namorada e não um apartamento! Porque o vizinho me disse que nunca ouviu um orgasmo se quer na madrugada! Porque na horta do meu pai, brotou a primeira cebolinha, por mais que ele tenha plantado alface. Porque você descobriu, que o banco de trás é bom pra se fazer outras coisas! Porque revi uma grande amiga que foi morar na França. Porque era aniversário de namoro, do meu primeiro amor.

Porque eu e meu amigo recebemos nossa primeira bolsa de estudo! Porque paguei com meu trabalho, minha fatura! Porque sozinha, consegui consertar o computador, trocar a lâmpada e reparar o quebra-luz.

...Porque podemos tomar o vinho francês em xícaras e o Carreteiro em taças de cristais!

E se for triste, pode-se quando:

Quando ler as cartas de rompimento. Quando o não que recebes parecer mais ouvido do que com algo impossível que viu! Quando brigou com sua irmã por algum motivo, e percebeu que sente a falta dela. Quando ele disse que ligaria e ligou um mês depois, sem se desculpar.

Quando lembra mais das despedidas do que das boas vindas! Quando passar aquela música que te faz lembrar de dias que nunca quis passar. Quando é cedo de mais pra os últimos dias; de aula na escola, na universidade, no estágio, das férias. Últimos momentos antes do beijo final e do abraço de despedida!

Quando um sonho se desfaz. Quando uma amiga perde a virgindade e conta que não o - amava. Quando se descobre que a luta livre é combinada. Quando uma criança te pode moedas no sinal. Quando se perde alguém! Quando você descobre que suas melhores amigas não confiam e você hoje, você sabe que nunca deveria ter confiado nelas.

Quando vê que tudo que fez, não te levou a lugar algum. Quando ler em uma página do diário no dia em que brigou com seu amigo. Quando descobre que nem todos os casamentos são feitos de pães quentes no café da manhã, e quem nem toda criança sabe a hora de parar de brincar.

... Quando se têm mais motivos tristes do que alegres!

Um vinho é merecido quando se é tomado enquanto cozinha pros amigos... E quando se cozinha pro seus fantasmas!

quinta-feira, 2 de julho de 2009

A procura!


"Ele faria da queda um passo de dança,


do medo uma escada, do sono uma ponte,


da procura um encontro."



O homem, quando jovem, é só, apesar de suas múltiplas experiênias. Ele pretende, nessa época, confortar a realidade com suas mãos, servindo-se dela, pois acredita que, ganhando o mundo, conseguirá ganhar a si próprio.


Acontece, entretanto, que nascemos para o encontro com o outro, e não o seu domínio. Encotrá-lo é perde-lo, é comtemplá-lo na sua total e gartuita inutilidade. O começo da sabedoria consiste em perceber que temos e teremos as mãos vazias, na medida em que tenhamos ganho ou pretendemos ganhar o mundo.


Neste momento, a solidão nos atravessa com um dardo. É meio-dia em nossa vidas, e a face do outro nos comtempla como um enigma. Feliz daquele que, ao meio-dia, se percebe em plena treva, podre e nun.


Este é o preço do encontro, do possível encotro com o outro.


A construção de tal possibilidade passa a ser, desde então o trabalho do homem que merece o seu nome.




(Uma carta de Hélio Pellegrino.)