sábado, 27 de fevereiro de 2010

Quando nunca tentamos...


Eu me recusaria até a morte dizer que já não te amo. Que amei quando ainda criança, quando acreditávamos em sonhos. Recusaria dizer que ainda não entendo porque penso em você, que não entendo por que nunca demos certo se nunca tentamos por medo de errar. Talvez nunca diga que entre esse vai e vem, penso em você, penso como cresceu! Eu me recusaria a admitir que nossa história seja musica de cazuza. Que mesmo em vidas complicadas, sentidos opostos e cidades diferentes, sempre imaginei um final juntos e felizes. Ainda não sei por que estamos assim, porque nunca tentamos, porque fazemos questão de confundir e atrapalhar os caminhos. “Não sei por que acontece assim, e é sem querer o que não era pra ser...”

“... Guardo um retrato teu, e a saudade mais bonita.”

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

EU QUERO TUDO DESSE JEITO, em caps lock mesmo!


Eu já procurei por salas e quartos, corredores e tantas outras partes. Procuro um lugar onde ainda que me perca, eu descubra, eu fuja! Escolhas me afligem quando prefiro não optar. Eu quero tudo dessa forma, mas de outro jeito... Que pelo menos mude enquanto quero, enquanto tenho pra perder! Eu não sei como quero, e se quero certo, e se é certo não querer... Eu só quero não fazer escolhas! Eu quero a mesma música, mas que não se repita. Ler os meus livros como você acha que ler meus olhos. Eu prefiro inventar, reverter, ganhar e perder... Gerar um conflito menos contraditório do que escolher!


"Quando você diz, o que ninguém diz, Quando você quer, o que ninguém quis, Quando você ousa lousa pra que eu possa ser giz, Quando você arde, alardeia sua teia cheia de ardis."

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Sou o inverso do ato final!



O meu inverso é apenas a imagem real do sou quando fecho os olhos e me acho! Fantasio todos os dias o meu rosto, mostro-me uma cara pintada e eu sou uma ilusão de ótica... A estranha sensação de não reconhecer-me quando desnudo o rosto, quando limpo os meus olhos, quando retiro a mascara! Por de traz dos sorrisos, gargalhadas ofegantes sem destinos. Sorrio para o mundo, o meu maior espetáculo sem estrelas, sem flores ao pé do palco, sem aplausos... Eu tenho apenas a cortina, que lentamente fecha-se pro imaginário, enquanto eu deliro com a vida! O meu inverso é uma peça que interpreto os meus delírios fantasmagóricos no ato final!

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

Eu sei andar na contramão!




Eu tenho vinte e três anos! E por menos que pareça, eu tenho as chaves da porta de casa, eu sei fazer baliza e pago as minhas contas. Eu tenho vinte e três anos, e quando menos eu tinha, eu construir fortes e me protegi do mal. Eu pago os alugueis e tenho inquilinos que me pagam com pensamentos! Eu já fui pra rock’s, eu já usei muitos rock’s e eu fui com abusos e exageros os rock’s! Eu peço quantas doses eu quiser, eu bebo quantas doses eu agüentar. Eu sei a hora de pedir a conta e sei chamar o garçom pra outra rodada... Eu Sei como voltar pra casa! Eu já tive dezoitos anos, já passei dos vinte e completei vinte e três anos. Eu já acreditei em mentiras, já duvidei das verdades e hoje, vejo pra crê. Quando eu errei, eu dei de cara com muros, e doeu! Quando eu acertei, que se danassem os acertos, eu precisei pular os muros pra ver o sol nascer! Eu escolho musicas no carro, eu mudo as estações no rádio e eu troco as estações dependendo do ritmo que eu quiser dançar. Eu tenho vinte e três anos e nunca pedi pra voltar, nunca precisei de alguém pra chegar até aqui e na hora que eu quiser, eu paro e penso! Eu tenho vinte e três anos, e podem ficar certos, os seus medos, eu lido no dia-a-dia, brincado com os olhos fechados!

sábado, 13 de fevereiro de 2010

Você não é uma alternativa...


Você não foi uma escolha entre o que não deu certo e a segunda opção. Você foi a minha escolha desde o primeiro instante! Você passou a ser meu, quando vi que já era tua. Sobre tantas conversas conexas e desconectadas, nós nos entendemos mesmo em silencio, em olhares, entre murmúrios! A gente se reconheceu, quando você segurou na minha mão e quando ignoramos o desconhecido! Você não foi uma escolha entre o incerto e o improvável. Essa minha adorável maneira de arriscar nas situações é sempre a melhor escolha! Você é mais que a minha conjunção composta, é o meu sujeito no presente, no futuro... É o verbo que escolhi para conjugar. Você é a melhor musica pra se ouvir, os créditos do meu filme preferido, é a letra principal do meu alfabeto! Você não foi uma escolha entre o que inventei sentir e entre o que não queria escolher. Não é porque errei algumas vezes que hoje você não seja a minha melhor escolha! Você é o caminho longo e seguro que eu escolhi para fazer!


... você é fato!

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

O que me prende.


Escolhi frases soltas pra compor essa moça. Arranjo acordes que a faça dançar enquanto canto o seu sorriso. Ela vem pra perto, lentamente acelerando o ritmo. Dança, consumindo claves. Eu sigo no seu passo, enquanto ela flutua linda e serena. É como ver uma flor deslizando pelas notas soltas. Ela dança as minhas frases soltas e eu me prendo nas cores que ela tem. É como ver uma flor deslizando no ritmo. Ela me inspira e eu simplesmente a vejo dançar, linda e serena. Como uma flor que dá cheiro a melodia!

sábado, 6 de fevereiro de 2010

Deixa como está


Eu nunca admiti com sinceridade o que sinto. Eu costumo desconversar sobre o que me confunde, e em momentos, me perco no que digo, me perco no que escondo. Ocultar assim de mim mesmo revela aos meus olhos o que seria verdade sob minha ótica de ilusões. Eu sempre optei por vivenciar que alcanço, no que a minha mão pode tocar e pode perder. Enquanto não admito, e talvez isso nunca aconteça, devo continuar nessa escuridão diante do medo. Isso me encoraja a viver com essa alucinada sensação de “deixa como está!”


Essa história é como a chuva, deliciosamente eterna. (Danilo Reis)

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

Um Samba Dela!


Eis o nosso primeiro filho.
Do texto à melodia! =)

Espero que gostem!

video

O proximo segundo!

No silencio, acabo de organizar as idéias quando percebo que fui um segundo teu. Entre tantos minutos que tivemos e entre tantos contratempos que tu te apaixonas, eu fui um segundo teu. Eu sei ainda, com conhecimento empírico, que outros segundos viram para suceder o que eu fui de você e o que tantas outras virão a ser. Por isso o tique-taque do tempo não aflige. “O tempo corre, não espera. Não são as horas que fazem meu tempo...” * Eu fui um segundo teu, tempo suficiente para o próximo segundo chegar, e passar. Bons tempos pra você!


* Trecho do meu primeiro texto musicado chamado, Um Samba Dela

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

Quando você achou mais seguro, correr o risco!


Se eu dissesse que te amo, estaria então aceitando o seu não-amor por mim! Eis aí uma diferença entre mim e você, me apaixonaria fácil por mim mesma, e eu deixaria de me amar o mais rápido possível. Mas inevitavelmente, eu me idolatro demasiadamente! Amo mais a mim do que a você. Então foi assim que as coisas começaram a terminar, eu disse que estava na hora de pintarmos as paredes e você achou melhor construirmos um muro. Da distancia você fez a massa e colocou os tijolos. O que restou, eu colori com as coisas que sobrou de você em mim. Impermeavelmente você me protegeu de você mesma. Você falou que assim ficaria melhor, eu disse que “mais distante talvez, menos mal.”


"Eu tive o teu veneno e o sopro leve do luar, porque foi calma a tempestade. E a tua lembrança, a estrelas a me guiar (...) Não falo pelos outros, só falo por mim. Ninguém vai me dizer o que sentir... "

Para Ele


Estou te deixando querido, mas saiba que volto antes mesmo de sentir saudade. Queria deixar com você aquelas tardes que costumávamos passear pelo bairro. Quando o tempo parecia ser nosso amigo e caminhávamos em passos lentos conversando sobre o fomos e que seriamos. Gostaria de deixar com você toda essa segurança que me passa e a tranqüilidade que sinto quando você chega. Amor, eu vou indo, mas sei que fico um pouco no travesseiro, fico um pouco na massa da pizza, e eu vou está mais da metade em um pouco de você. Pequeno, quando eu for embora, não se esquece de prestar atenção nos pássaros, não deixa de roubar flores pra mim e sempre deixe os gnomos juntinhos, um olhando para o outro! Amo você!