sexta-feira, 20 de maio de 2011

Poema fisiológico.


Só poucos pedaços de mim não são poesias. E quase que por completa, nas costas; bem no inicio da coluna vertical; espinha dorsal de uma rosa no jardim; enraízam em mim poemas que estruturalmente fundamentam as teorias. E quando chove, outro pedaço cede. Indo embora suposições hipotéticas sobre amor. Afinal, que amor na vida não passa por tempestades?

Um comentário:

  1. Estou procurando um adjetivo... Mas não encontro, que bom, pois!

    ResponderExcluir